O mercado digital pela web designer Cristiana Marroig

Carioca, web designer e empresária. Cristiana Marroig, de 31 anos, chegou a morar em Londres quando o mercado digital ainda era bem pequeno no Brasil e “lá o mercado já estava mais habituado”, como ela contou ao Portal O Rio. Depois de grandes trabalhos na capital da Inglaterra, a volta para o Brasil comandando a filial da empresa que trabalhou em Londres e, mais tarde, enfim, a criação da Agência Tamanduá – que se divide em Rio de Janeiro e São Paulo. Esse é apenas um breve resumo da história de Cristiana Marroig. A web designer, no entanto, contou à reportagem o que pensa do mercado no Brasil hoje, quais são as maiores dificuldades, as diferenças entre Rio e São Paulo e até os segredos, que deram certo, para permanecer em um mercado cada vez mais competitivo. Leia na íntegra a entrevista com Cristiana Marroig:

Cristiana Marroig, web designer e proprietária da Agência Tamanduá
Cristiana Marroig, web designer e proprietária da Agência Tamanduá

Há quanto tempo você atua no mercado das agências digitais?
No mercado digital, há 11 anos. Mas sou empresária desde 2007, quando abri minha primeira agência digital.

Como começou? Pode contar desde quando surgiram os primeiros trabalhos ainda na faculdade…
Comecei minha carreira quando fui chamada por um professor da faculdade para ajudar nas animações do Reveillon de Copacabana. A cascata do Meridien tinha sido proibida no ano anterior e fomos chamados para fazer a Cascata Virtual no Edifício ABC, esquina da Avenida Atlântica com Princesa Isabel. Me apaixonei pelo mundo virtual e decidi que era isso que queria para minha vida.

Trabalhei em algumas agências online e offline, mas web design sempre foi o que eu mais amei, mesmo com as dificuldades, especialmente a falta de créditos e investimentos na área. Mas o mercado digital foi crescendo e eu também. Decidi então me mudar para Londres. Lá percebi o quanto o mercado já estava mais habituado, as agências sugeriam web e não o contrário! Me encantei mais ainda, fizemos, eu e meu chefe, campanhas completas apenas na web, como uma chamada “Cheebay” para a Pepsico ou outras menores, para Danone, Malibu. Aquilo tudo era um êxtase para mim, mas infelizmente tive que voltar. Então fui surpreendida pelo meu chefe, me chamando não só pra continuar trabalhando para Londres, como para abrir uma filial da empresa no Brasil… Entrando então em um novo mundo, o do empreendedorismo digital!

Ao longo da sua carreira, quais foram as maiores dificuldades ou desafios?
No princípio foi bem difícil por ser uma profissão totalmente nova. Precisei convencer muitos clientes sobre a importância da web para um futuro próximo, fora a dificuldade de locais para trabalhar. Existiam poucas agências digitais e ninguém valorizava o nosso trabalho.Hoje o cenário mudou completamente. Não só existem milhares de empresas digitais, como quase todos estão presentes na web. Acho que hoje, o maior desafio é ter que inovar diariamente. É preciso todos os dias acordar, olhar o mercado, avaliar e pensar o que existe de novo e como posso mudar o meu negócio. Novas tecnologias são colocadas no mercado diariamente. Estar antenada é uma obrigação e se você não inovar, está fora do mercado.

Como surgiu e qual a proposta da Agência Tamanduá?
A Tamanduá surgiu com a minha saída da Bravo Media Brasil. Eu queria uma agência com o meu jeito, focada em tecnologia, mas sem perder a proximidade com os clientes. Sempre gostei muito de entender o cliente para poder não só fazer o meu trabalho, mas ajudá-los a crescer. Assim, junto com meu sócio-investidor, abrimos em 2011 a Agencia Tamanduá, com a proposta de não só criar websites, mas acompanhar o crescimento e desenvolvimento das empresas. Foi assim com o grupo Labs, que recentemente teve uma reestruturação de marca, passando para Labs a+. O Grupo Endotex, onde estamos desenvolvendo um trabalho pontual, além de website, assessoria em Marketing Digital. O Grupo Rede D’Or | São Luiz, com quem trabalho desde 2008 e pude acompanhar e participar do crescimento do grupo. Para você ter uma ideia, já desenvolvemos mais de 80 sites para o grupo Rede D’or. Entre outros clientes menores, mas não menos importantes.

Quais são os maiores desafios para formar uma equipe sólida?
Primeiro o gestor precisa estar envolvido com a sua equipe e saber o que pode tirar de melhor de cada membro da equipe para conseguir motivar o trabalho. Mas acho que o mais importante é estimular o crescimento profissional de cada um, por mais que o profissional mude de emprego, o benefício de tê-lo feito crescer dentro da sua empresa, trará frutos no futuro, mesmo este estando fora da sua equipe. Costumo dizer que um ex-funcionário satisfeito, é mais rentável que um funcionário insatisfeito.

E para se manter no mercado, que está cada vez mais competitivo?
Como falei anteriormente, inovação é a palavra do século. É muito importante manter-se atualizado para poder buscar sempre novas formas e mercados para se trabalhar. Acho que esse é o segredo para se ter uma empresa digital nessa década.

Há alguma diferença no trabalho realizado em São Paulo e no Rio de Janeiro? Pode ser quanto à cliente, mão de obra, mobilidade ou qualquer outra coisa…
Sim. Rio e São Paulo têm mercados e necessidades bem diferentes. Em São Paulo acabo fazendo um trabalho mais focado e no Rio as empresas que nos contratam, querem algo mais abrangente. Fora que podemos perceber que os hábitos são diferentes e as relações com os clientes também precisam ser diferentes. No Rio é fácil você sair com o seu cliente para um chopp e discutir sobre novos projetos. Em São Paulo, geralmente a conversa é nas salas de reunião. O legal disso tudo, é se adaptar ao seu cliente.

Como você vê o mercado das agências digitais hoje?
Eu vejo um mercado se consolidando com muitas pequenas agências, mas com espaço para todos. Cada vez mais as pessoas percebem a importância da web na vida, tanto profissional como pessoal.

Qual o tipo de trabalho, dentro das suas habilidades, que você mais gosta de fazer?
Eu amo trabalhar com pessoas. Fora a Agência Tamanduá, tenho prestado consultoria para pequenos empresários e confesso que é algo que tenho um enorme prazer. As pessoas vêm até mim, pois querem se colocar na web, querem aprender a lidar com Facebook, Twitter, blogs, mas não necessariamente contratar os nossos serviços. Ensino-as a pescar, o melhor e mais gratificante é ver os resultados que colhem.

About Bianca Garcia

Co-fundadora do Portal O Rio, Bianca Garcia administra, edita e produz conteúdo para o site e para as redes sociais. Com experiência em jornal impresso e mídia social, a jornalista formada pela FACHA é também graduanda de Letras/Literatura pela UFF e pós-graduanda em Gestão Estratégica da Comunicação pelo IGEC.

Check Also

Resenha das Pretas: samba, gastronomia e moda

Neste sábado (24), vai rolar mais uma edição da Resenha das Pretas no Centro do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.