O novo Bem Hur e o perigo desse nome

Sairá no dia 18 de Agosto, vulgo próximo mês, um novo filme do personagem bíblico Bem Hur. Diferente do clássico destruidor de Oscars (dono do recorde até hoje com 11 prêmios), esse filme traz o começo da história do personagem, antes de Roma tomar Jerusalém e contando, em paralelo, a história de Cristo (papel de Rodrigo Santoro) até a condenação por Pilatos.

Com promessa de ser um épico, o filme já nasce com um peso enorme. Carregar o nome “Bem Hur” é um dos maiores pesos que um filme pode ter. Mesmo trazendo uma história “diferente”, vista por outro ângulo e perspectiva, além da revisão de roteiro feita pelo excelente John Ridley (de 12 Anos de Escravidão), é uma tarefa bastante ingrata e, de certa forma, desnecessária. Mexer em um nome tão forte do cinema é como tentar um “all in” num jogo de poker: tudo ou nada. E as chances de levar nada nesse caso são altíssimas.

Torço de verdade para o sucesso do longa mas já prevejo uma enxurrada de comparações e críticas. Agora é aguardar Agosto e ver o julgamento dos Pilatos da mídia sobre a nova aventura do herói bíblico.

About De olho na 7ª arte

Jonathan Miranda é carioca, mas não gosta de praia e ama frio. Criador e gestor do portal PlayStorm, jornalista por formação, amante da 7ª arte e apavorado por estar chegando aos 30 anos.

Check Also

Surrealismo de Luis Buñuel é tema de mostra na Caixa Cultural 

A mostra Luis Buñuel – Vida e obra mostra todas as potencialidades da obra do …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.