Médico comenta a vulnerabilidade dos adolescentes na Internet

Whatsapp, Snapchat, Instagram e Secret são alguns dos aplicativos para smartphone mais utilizados por adolescentes. Compartilhar mensagens, fotos, vídeos e até segredos íntimos virou moda, mas é algo que merece atenção por parte dos pais já que essas ferramentas aumentam o risco de exposição a casos de cyberbullying, pedofilia e outros crimes virtuais.

Além disso, o avanço da tecnologia permitiu a existência de ferramentas como a deep web, uma espécie de submundo da Internet onde se pode ter acesso a diversos conteúdos no anonimato, gerando uma lacuna para pedófilos e outros criminosos atuarem livremente.

De acordo com Marco Antonio Chaves Gama – médico pediatra especialista em adolescência pela Sociedade Brasileira Pediatria e pela Associação Médica Brasileira, e em Saúde Mental da Infância e Adolescência pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais – os adolescentes têm duas vezes mais dependência da Internet que os adultos. “A geração digital cresceu dentro de um ambiente no qual a vida virtual nada mais é que parte de seu cotidiano. O século XXI tem como características a pressa, as relações superficiais, o modelo do binômio ‘impulso e ação’ associado ao adolescente, que dispõe de pouca ferramenta para lidar com frustrações”, explicou. Para o médico, o excesso de competitividade, com um modelo escolar pouco sedutor e objetivo, e as relações familiares difíceis, com pouco ou nenhum afeto, faz com que o contato com essa mídia seduza e transporte o adolescente para situações de prazer em um mundo virtual em que ele pode atuar da maneira que quiser.

Este conjunto de situações favorece o desenvolvimento da dependência da Internet e outros problemas psiquiátricos, já que, segundo o médico, essa dependência é a doença primária que causa outras doenças secundárias (comorbidade, ou duplo diagnóstico). Em algumas situações a doença primária é uma doença psiquiátrica, principalmente depressão e transtorno de ansiedade, levando a dependência como uma comorbidade. As doenças psiquiátricas mais frequentes são: transtorno de ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC), transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH), depressão e fobia social. “Cada caso tem uma característica, o importante é determinar o problema primário e depois suas comorbidade para o poder estabelecer o melhor tratamento”, disse o especialista. Segundo Marco Antonio, o importante é que os adolescentes usem a Internet, mas que não sejam usados por ela.

About Portal O Rio

O Portal O Rio é um portal de notícias online e independente. Criado em julho de 2014, o site tem como objetivo informar sobre o que acontece no Rio de Janeiro.

Check Also

O fantástico mundo do e-commerce

O mundo já está vivendo uma nova realidade de compras: o e-commerce. Cada vez mais …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.