Legado socioesportivo do Miécimo da Silva é exemplo para o Rio

Aos 33 anos, o primeiro complexo esportivo da Zona Oeste é um símbolo de legado esportivo na cidade. Em Campo Grande, o Centro Esportivo Miécimo da Silva (CEMS) desempenha uma dupla função: atende moradores e estudantes da região e abre espaço aos esportistas de alto rendimento em esportes olímpicos, como tênis de mesa, judô e caratê.

Mais de 12 mil estudantes – a maioria da rede municipal de ensino – estão inscritos nas atividades, que acontecem de terça a sexta-feira. Nos fins de semana, o centro esportivo funciona como um grande clube, aberto à comunidade. Uma média de mil pessoas por dia frequenta o espaço, onde é possível praticar 36 modalidades esportivas, além de dança e exercícios voltados para pessoas com deficiência e para a terceira idade.

“Temos de potencializar as ações que integrem a população e o esporte. Esse é o nosso objetivo: garantir o acesso à prática esportiva, de forma gratuita e de qualidade, contribuindo para inclusão social e a promoção da saúde. E o Miécimo é o Maracanã das 21 vilas olímpicas da cidade”, explicou o secretário municipal de Esporte e Lazer, Márcio Braz.

Com 64 mil metros quadrados de área, o Miécimo ganhou projeção internacional ao ser palco de jogo de exibição de basquete, em 1997, entre os times do norte-americano Magic Johnson e do brasileiro Oscar Schmidt. Dez anos depois, voltaria a ganhar destaque mundial ao sediar as partidas de patinação, caratê, squash e futebol dos Jogos Pan-Americanos. Em março deste ano, mais de 1.400 judocas de 110 agremiações disputaram o Torneio de Abertura da Federação de Judô do Estado do Rio de Janeiro (Fjerj), na arena poliesportiva climatizada do Ginásio Algodão, com capacidade para 4,8 mil pessoas.

“O Miécimo é vital para a rotina de Campo Grande e de outros bairros da Zona Oeste. Ele não se limita ao uso esportivo e serve como um espaço para interação social, cidadania e acolhimento de diversas pessoas de todas as idades. O complexo proporciona uma grande variedade de atividades e isso o torna democrático e inclusivo”, disse Fábio Néspoli, coordenador do Miécimo e vice-presidente da Organização Social Espaço, Cidadania e Oportunidades (Ecos), ONG responsável pela gestão do centro esportivo.

Frequentadora do espaço, a aposentada Juraci Vieira dos Santos garante que as aulas de hidroginástica transformaram a sua vida. No auge dos seus 75 anos, faça chuva ou sol, a moradora de Vila Kennedy pega o ônibus até o Miécimo, onde também pratica dança do ventre.

“Já teria morrido se não tivesse direito a essa piscina maravilhosa. Tenho cinco filhos, dez netos e cinco bisnetos que me dão muita alegria, mas é aqui que me sinto feliz”, afirma a aposentada, conhecida como Cléia Sorriso.

A professora de Educação Física Márcia Rodrigues, 28 anos, disse que a alegria de Cléia Sorriso representa o sucesso da iniciativa da prefeitura em abrir o centro esportivo à comunidade. Por semana, 800 alunos da terceira idade participam das aulas. “A maioria chega aqui por recomendação médica. Ou estão doentes, ou deprimidos. Muitos não têm família e encontram, nas aulas de hidro, uma grande oportunidade de melhorar a saúde e interagir com outras pessoas. Temos até um aluno com Parkinson que evoluiu graças à prática do esporte”, explica.

Os frequentadores do complexo esportivo têm ainda acesso a sessões de RPG, pilates, fisioterapia e colônia de férias. Uma equipe multifuncional com psicóloga, pedagoga e assistente social também orienta pais, crianças e pessoas da terceira idade.

*Foto Capa: Reprodução Internet

About Portal O Rio

O Portal O Rio é um portal de notícias online e independente. Criado em julho de 2014, o site tem como objetivo informar sobre o que acontece no Rio de Janeiro.

Check Also

Batons metálicos: entre nessa moda você também

Sucesso há alguns anos, os batons metálicos voltaram com tudo! Mas, calma! Apesar de ser …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.