O Rio no cinema

Ontem a cidade do Rio de Janeiro completou 450 anos. E durante todo esse tempo vimos a cidade se transformar nessa metrópole alucinada e louca, com todos os problemas que são comuns à condição que a cidade se encontra. É claro, existem as falhas da administração pública, a falta de preparo, o desmando… E isso tudo é constantemente retratado no cinema.

Ao longo dos anos, vários filmes nacionais tiveram destaque mostrando o dia dia nas comunidades (vulgo favelas) do Rio de Janeiro. Apesar da cidade possuir inúmeras qualidades, desde a hospitalidade do seu povo até as paisagens belíssimas como poucas no mundo, os filmes que falam da cidade tendem a mostrar o lado mais “sombrio” e menos aprofundado da vida do carioca. Guerras entre traficantes de drogas, corrupção no poder público, preconceito contra os menos afortunados e o dia dia do morador da favela. Por um lado eu adoro essa temática por mostrar  muito o que o povo “de bem” que mora nessas regiões passa. Por outro lado me entristece saber que uma cidade tão fantástica está jogada às baratas pelo poder público e pela corrupção desenfreada.

Dentro desses filmes supra citados, os destaques mais claros são “Tropa de Elite 1 e 2” e Cidade de Deus, três filmes ótimos não só pela temática, mas pelas atuações e direção. Porém, gostaria de indicar alguns filmes que podem ter passado desapercebidos pelo grande público, mas que cumprem com maestria a função de mostrar um lado do Rio de Janeiro que poucos conhecem e tem acesso.

Cidade dos Homens (2007) – Baseada na série homônima da Rede Globo, o filme se passa num período posterior a obra de origem. Os amigos de infância Laranjinha (Darlan Cunha) e Acerola (Douglas Silva) começam a enfrentar os problemas da vida adulta. Prestes a completar 18 anos, eles tentam ser responsáveis e dar um novo rumo para vida deles em meio aos conflitos armados dentro da favela onde moram. O filme mostra de forma bastante interessante o modo como o trabalhador honesto tem que se virar com uma rotina de guerra urbana enquanto tentam levar a vida normalmente.

Orfeu (1999) –  É uma adaptação da mitologia grega, baseada numa peça do poeta Vinícius de Moraes. Nessa adaptação ambientada numa comunidade do Rio de Janeiro, Orfeu (Toni Garrido) é um compositor que vive as voltas com um amor impossível por Eurídice (Patrícia França), sempre sendo atrapalhado pelo chefe do tráfico local Lucinho (Murilo Benício)
Orfeu é um filme, nos quesitos técnicos, até mediano para fraco. Porém, a forma como foi adaptada a história inserindo o contexto no dia a dia de uma favela do Rio de Janeiro é um ponto de bastante destaque.

Era uma vez… (2008) – O filme conta a história de amor entre Dé (Thiago Martins) e Nina (Vitória Frate). Depois de ver um irmão ser assassinado na sua frente quando ainda era criança e ver seu outro irmão ser preso injustamente, Dé tenta levar uma vida honesta trabalhando num quiosque da praia de Ipanema. Lá conhece Nina, moradora de um prédio em frente ao quiosque. Vivendo em realidades completamente diferentes, eles começam um romance que foge de todos os padrões e protagonizam uma história com um desenrolar surpreendente. Esse filme foi uma grata surpresa pra mim. Não esperava muita coisa quando li a sinopse e me surpreendi com o plot twist do filme. Isso somado a narrativa que passa longe do usual para filmes de romance torna o filme uma experiência muito interessante.

*Foto Capa: Reprodução Internet

About De olho na 7ª arte

Jonathan Miranda é carioca, mas não gosta de praia e ama frio. Criador e gestor do portal PlayStorm, jornalista por formação, amante da 7ª arte e apavorado por estar chegando aos 30 anos.

Check Also

Viva os cachos: 1º Encontro Cacheia + Casa Nostra Cosméticos no Rio

Cacheadas, fiquem atentas! No dia 9 de julho, de 10h as 18h, acontece o 1º …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.