O superestimado Tim Burton

Ao lerem o título, muitos de vocês já devem estar reclamando. Como pode falar mal de Tim Burton, diretor mega conceituado? Não só posso como vou falar mal.

Tim Burton sempre foi um diretor venerado, principalmente pela galera mais “cult”. Claro que filmes como Edward Mãos de Tesoura, Beetlejuice (Os Fantasmas se Divertem), Sweeney Tood e as animações A Noiva Cadáver e O Estranho Mundo de Jack merecem os elogios que receberam. São ótimas obras, intrigantes e apaixonantes. Mas para por aí.

Nascido em 1958 nos EUA, Timothy Walter Burton dirigiu/produziu mais de duas dezenas de filme. Algumas obras ótimas como as supra citadas. Mais muitos (eu disse muitos) filmes terríveis, como o Batman Eternamente, estrelado pelo péssimo Val Kilmer , Planeta dos Macacos (2001) com igualmente horroroso Mark Wahlberg e A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, com o esforçado Johnny Depp. Soma-se ao buque de horrores releituras de alguns clássicos, como A Fantástica Fábrica de Chocolate e Alice no País das Maravilhas, ambas protagonizadas por Depp.

Na minha opinião, o diretor norte americano faz mais sucesso de público (e possui fãs radicais e intolerantes em relação as criticas) pela atmosfera peculiar de seus filmes. Sempre com um clima depressivo, introspectivo e tendendo para o gótico. É uma característica marcante, de fato. Porém acho que um filme precisa de muito mais que uma atmosfera interessante para ser bom. Continuidade, atuações, roteiro, fotografia…muitas coisas que, somadas, fazem um filme se destacar dos demais, para o bem e para o mal. E normalmente a soma do nosso amigo Tim tem resultado negativo. Isso tudo fica claro quando observamos sua obra na 7ª arte. Tendo em vista tudo isso, eu humildemente escrevi esse recado ao famoso diretor:

Fique no seu mundo, na sua atmosfera. Não tente sair de seu âmbito pois as sucessivas falhas mostram que não dará certo. Você sabe muito bem trabalhar dentro de sua zona de conforto, então fique nela e relaxe. Seus fãs agradecerão imensamente de não ter que justificar o por que gostam da sua obra e sempre citar a meia dúzia de filmes realmente bons que você produziu/dirigiu.

Ps: Esqueça o Johnny Depp. Ele é um ator comum e vai se casar. Se livre desse amor platônico.

Com carinho, Jonathan.”

About De olho na 7ª arte

Jonathan Miranda é carioca, mas não gosta de praia e ama frio. Criador e gestor do portal PlayStorm, jornalista por formação, amante da 7ª arte e apavorado por estar chegando aos 30 anos.

Check Also

Surrealismo de Luis Buñuel é tema de mostra na Caixa Cultural 

A mostra Luis Buñuel – Vida e obra mostra todas as potencialidades da obra do …

One comment

  1. Que bom que alguém compartilha da mesma opinião que eu, kkk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.