10 lugares para fazer piquenique na capital carioca

Fugir um pouco do barulho, da rotina ou das praias lotadas faz muito bem. Sabendo disso, o Portal O Rio selecionou uma lista com 10 lugares que rendem um piquenique perfeito. Da Zona Sul a Zona Oeste, o que não falta é opção para escolher e lugar para frequentar. Talvez uns mais conhecidos que outros, mas todos com sua beleza única e valor incomparável. Se já fez piquenique em algum desses, que tal experimentar outro? Se nunca fez, escolha um destino e comece.

  • Parque Madureira

Com mais de 90 mil metros quadrados, o Parque Madureira é uma boa opção para um piquenique no início da manhã ou no fim de uma tarde no subúrbio carioca. Com um extenso corredor verde, que possui mais de 1500 árvores, o Parque Madureira é hoje o terceiro maior da cidade, atrás apenas do Aterro do Flamengo e da Quinta da Boa Vista.

Antes de programar o piquenique, vale a pena olhar se o Parque vai sediar algum evento no dia que você escolheu para ir. Se sim, marque outro dia, pois shows e competições – eventos comuns no Parque – aumentam a quantidade de pessoas que frequentam o local, e se buscou piquenique é porque quer algo mais tranquilo, certo? Então nada de surpresas!

Endereço: Rua Soares Caldeira, nº 115 – Madureira – Rio de Janeiro (Atrás do Madureira Shopping)
Horário de funcionamento: de terça a domingo, de 5h às 22h
Entrada: gratuita

  • Quinta da Boa Vista

Localizado no bairro de São Cristóvão, a Quinta da Boa Vista é querida por cariocas e qualquer outro visitante. A Quinta da Boa Vista possui mais de 150 mil metros quadrados de área verde e a beleza dos jardins, que nos remete à antiga realiza, é uma boa opção para um piquenique regado à natureza, cultura e diversão, já que o local  abriga o Museu de História Nacional e o Zoológico – que em caso de não perder a viagem e conhecer os locais após o piquenique custam R$ 3 e R$ 6, respectivamente.

Endereço: Avenida Pedro II, sem número – São Cristóvão – Rio de Janeiro
Funcionamento: de segunda a domingo, das 6h às 18h
Entrada: gratuita

  • Bosque da Barra

O Bosque da Barra tem função de reserva ecológica, onde estão preservadas a vegetação natural das áreas originais da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. O local encanta a todos os visitantes pela imensidão verde, paz e tranquilidade proporcionada pela ausência dos carros e barulhos da “cidade grande” mesmo tão próxima à via mais movimentada do bairro, a Avenida das Américas. Próximo ao frescor do lago e embaixo de sombras de árvores, cariocas e visitantes escolhem o Bosque da Barra para fazer piquenique e aproveitam para encontrar moradores bastante hospitaleiros, como saguis e pássaros.

Vale lembrar que não se deve mexer ou alimentar qualquer animal que encontrar no Bosque.

Endereço: Avenida das Américas, nº 6.000 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: de segunda a domingo, de 7h às 17h
Entrada: gratuita

  • Praia do Perigoso

Aos que querem ainda mais tranquilidade e paz, o ideal é enfrentar a trilha de aproximadamente 1,5 km para conhecer a Praia do Perigoso, na Zona Oeste carioca. Linda e ainda distante dos pés e das lentes dos turistas, o lugar ainda é bastante reservado. Se a escolha for deste lugar, que para chegar precisa ir até o fim da Barra de Guaratiba, atenção redobrada com o lixo produzido: a região, agora um pouco mais visitada, tem sofrido com a visitação. Vez ou outra, amantes do local e moradores da Zona Oeste têm feito um mutirão para a retirada de lixo deixado no local. Já houve casos de retirada de mais de uma tonelada de lixo. Então preserve um dos lugares mais lindos e menos visitados do Rio! Retire seu lixo e tudo que ver ao redor!

Endereço: Rua Parlon Siqueira – Barra De Guaratiba – Rio de Janeiro
Entrada: gratuita

  • Parque Estadual do Grajaú

Além dos muitos atrativos do Parque, como trilhas e possibilidade de praticar o montanhismo, logo próximo à entrada do Parque Estadual do Grajaú há espaços para piqueniques. Com uma infraestrutura boa e muito bem conservada, o Parque possui banheiros e bebedouros. Lanchinho do piquenique, sombra e visita dos micos-estrela prometem fazer seu dia bastante divertido.

Se você nunca foi ao Parque Estadual do Grajaú pode ser que encontre alguma dificuldade, já que há pouca sinalização e muitas pessoas pelas redondezas não sabem te informar como chegar. Além disso ainda há uma dificuldade: para chegar à entrado do Parque utilize táxi, motocicletas ou carros de passeio. Não há ônibus que deixe-o na porta – eles deixam na Praça Edmundo Rêgo, mas é preciso subir um trecho de aproximadamente 10 minutos.

Endereço: Rua Comendador Martinelli – Grajaú – Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 8h às 17h
Entrada: gratuita

  • Jardim Botânico

Tradicional e um dos destinos mais procurados por quem visita a capital carioca, o Jardim Botânico é um dos locais preferidos na hora da escolha de um bom lugar para fazer piquenique. Por este motivo, e por toda a sua história, na maioria das vezes o Jardim Botânico está bem cheio. Criado há mais de 200 anos, o Jardim Botânico do Rio possui uma coleção de de oito mil espécies vegetais. Na hora do piquenique no Jardim Botânico, não leve garrafas PET e isopores. Essas duas coisas são proibidas para evitar a sujeira no local.

Endereço: Rua Jardim Botânico, nº 1008 – Jardim Botânico – Rio de Janeiro
Funcionamento: de segunda a domingo, das 8h às 17h
Entrada: R$ 6

  • Parque Lage

Ao lado do Jardim Botânico e nas encostas do Maciço do Corcovado está o Parque Lage, cujos jardins fazem parte do Parque Nacional da Tijuca. Muito mais que um parque, o espaço é na verdade um pedaço de história. O local, no Brasil Colonial, era um engenho de açúcar com terras que se estendiam até a atual Lagoa Rodrigo de Freitas. O Engenho Del Rey pertencia a Antonio Salema, governador do Rio de Janeiro no século XVI. O atual Parque Lage passou por outras pessoas até chegar, em 1920, às mãos do empresário Henrique Lage, amante de arte que comprou o local. O estilo romano da construção do Parque Lage tem um motivo: Henrique Lage era apaixonado e casado com a cantora lírica italiana, Gabriela Besanzoni, e para agradar a artista mandou construir uma réplica perfeita de um “palazzo romano”.

É assim, respirando história e ar puro que você pode fazer um piquenique no Parque, que tem vários espaços que podem ser usados para esta finalidade, como o Parquinho, Platô, Lago dos Patos, ao lado da Gruta, Recanto dos Namorados e o Coreto.

Endereço: Rua Jardim Botânico, nº 414 – Jardim Botânico – Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: de segunda a domingo, das 8h às 17h
Entrada: gratuita

  • Parque Estadual da Chacrinha

Próximo à estação de metrô Cardeal Arco Verde, em Copacabana, Zona Sul do Rio, o Parque Estadual da Chacrinha ainda passa despercebido por alguns cariocas e visitantes. Considerado um tesouro ecológico no bairro mais conhecido do Rio, o Parque possui mesas e até churrasqueiras para os visitantes. Para quem gosta de um piquenique mais “confortável”, esse é o lugar. Mas fique atento: o Parque exige reserva na administração (telefone: 2542-3247) e no dia do piquenique o visitante precisa ir munido de documentos, como carteira de identidade e CPF.

Endereço: Rua Guimarães Natal, s/n° – Copacabana – Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 8h às 17h
Entrada: gratuita

  • Lagoa Rodrigo de Freitas

Localizada em uma das regiões mais nobres do Rio, a Lagoa é também um dos lugares mais frequentados pelos cariocas. Com quase 10 km de entorno, a Lagoa – ligada ao mar pelo canal do Jardim de Alá, que separa o Leblon de Ipanema – abriga praticantes de caminhada e corrida, além de ciclistas e skatistas que aproveitam a beleza do local para a prática do esporte. Há muitos atrativos em volta de toda a Lagoa, como pistas de skate, quadras esportivas e restaurantes, mas há também espaços livres em que dê para você estender sua toalha quadriculada ou sua canga e começar ali mesmo um piquenique. De uma forma geral, a Lagoa é bem movimentada. Alguns picos mais, outros menos. Mas se quer um piquenique escondidinho talvez não seja este o melhor lugar.

Endereço: Avenida Epitácio Pessoa e Borges de Medeiros, s/nº
Entrada: gratuita

  • Parque Natural Municipal da Catacumba

Além da extensa área verde, já que é uma área de proteção ambiental anexa à Lagoa Rodrigo de Freitas, o Parque da Catacumba é também um dos destinos para quem quer realizar um bom piquenique. Natureza e tranquilidade são características do local, que também atrai visitantes por ter a possibilidade de praticar esportes radicais, como arborismo, tirolesa e rapel (todas as atividades organizadas pela empresa terceirizada Lagoa Aventuras). O Parque da Catacumba também abriga ao ar livre 30 esculturas de artistas brasileiros e estrangeiros.

Ao todo, são 30 hectares de floresta encravados na Lagoa, que levam a uma visão ampla do Rio de Janeiro, que inclui Ipanema, Leblon, Morro Dois Irmãos e Pedra da Gávea. Mas a parte para o piquenique não é tão grande. O ideal é chegar cedo e garantir seu lugar.

Curiosidade: Conta à lenda que o nome do Parque se dá porque era nessa encosta que os índios enterravam os mortos, antes da chegada dos portugueses ao Brasil.

Endereço: Avenida Epitácio Pessoa, nº 3000 – Lagoa Rodrigo de Freitas – Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 9h30 às 16h30; horário de verão das 9h30 às 17h30
Entrada: gratuita

Antes de preparar o piquenique é importante lembrar:

Não pendure nenhum tipo de objeto nas árvores; não use aparelhos sonoros em alto volume, nem utilize elementos decorativos, como mesas, cadeiras, bancadas e suportes. Em alguns lugares, há espaços para piquenique com mesa e cadeira, como em uma parte do Parque Estadual do Grajaú, mas não são todos. Então o ideal é cada um levar sua própria canga ou esteira e estender no local. Dica para a vida: responsabilize-se pelo seu lixo,ensaque-o e deposite em lixeiras (ou do próprio parque ou da sua própria casa). Tudo que levar, retire do local.

About Bianca Garcia

Co-fundadora do Portal O Rio, Bianca Garcia administra, edita e produz conteúdo para o site e para as redes sociais. Com experiência em jornal impresso e mídia social, a jornalista formada pela FACHA é também graduanda de Letras/Literatura pela UFF e pós-graduanda em Gestão Estratégica da Comunicação pelo IGEC.

Check Also

Viva os cachos: 1º Encontro Cacheia + Casa Nostra Cosméticos no Rio

Cacheadas, fiquem atentas! No dia 9 de julho, de 10h as 18h, acontece o 1º …

One comment

  1. Realmente vale a pena conhecer o Jardim Botânico! E tem a vantagem de ser um dos pouquíssimos lugares no Rio de Janeiro onde se pode sacar uma câmera fotográfica (em público!!!) para tirar belas fotos (não sei até quando, então aproveitem!). Recomendo muitíssimo: o cactário (não é grande, mas tem muita variedade); o lago com as Vitórias-régias; e o maciço de flores de Lótus (dobradas brancas!) no Jardim Japonês (a floração é em Abril). Há também as exposições de orquídeas que acontecem duas vezes por ano no local (vide a programação no site da associação Orquida Rio). Antigamente o espaço das exposições era muito maior mas, a cada ano que passa, os espaço disponibilizado e o número de expositores diminui (aproveitem antes que acabe!). De resto, passeando pelo Rio, não ande com nenhum item de valor: anéis/alianças), cordões (de ouro/prata, escapulários, relíquias de família), pulseiras, brincos, relógios, câmeras fotográficas, celulares caros, pochetes, passaportes, roupas /sapatos/tênis caros, enfim nada! Deixe em casa ou no cofre do hotel. E jamais atenda o celular na rua ou dentro de ônibus (especialmente com a janela aberta). Bom passeio!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.