Mudança de “RG”

Na Copa do Mundo deste ano, os automóveis que circulam nas ruas de nossa cidade ganharam “ares gringos” com os milhares de argentinos, chilenos e uruguaios que vieram – de carro ou trailers – assistir os jogos de suas seleções. Além da grande quantidade de veículos em estado de conservação duvidoso, chamou atenção também as placas, obviamente diferente do padrão brasileiro. Assim, multar esses carros não foi tarefa muito fácil para o Detran. Essa situação, no entanto, tem data para acabar. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) anunciou no dia 4 como ficará o novo modelo de placa veiculares brasileiro, que segue padrão aprovado pelos países do Mercosul no dia 8 de outubro. Segundo o órgão, a partir de 1º de janeiro de 2016, os carros 0km e aqueles que mudarem de categoria ou de município serão emplacados com os novos modelos. Para os demais veículos a troca é opcional.

É claro que a intenção de criar um padrão na identificação dos veículos pertencentes ao bloco é louvável, já que a promessa é que seja possível mais de 450 milhões de combinações, contra as cerca de 175 milhões do padrão brasileiro atual, mas será preciso muita atenção para evitar confusões aqui no Brasil, já que o modelo de três letras seguidas por quatro números irá mudar. A nova placa terá quatro letras e três números que não seguirão ordem, podendo estar embaralhadas, como o modelo europeu. Assim, poderemos ter, em 2016, um veículo com placa LLL-1234 e um com placa LLL 1R34. Torcemos para que não dê erro na hora de aplicar a multa.

Modelo de placa de carro de Portugal (Foto: Wikimedia Commons)
Modelo de placa de carro de Portugal (Foto: Wikimedia Commons)

O padrão das cores também muda. Todas as placas, independentemente da categoria, serão brancas. O que altera é a fonte e a borda, que será preta para carros particulares, vermelha para veículos comerciais, azul para oficiais, verde para especiais (veículos em teste, por exemplo), dourado para diplomáticos e, por fim, prateado para colecionadores. O nome do país fica centralizado e a identificação do munícipio e do estado vão para a direita, acompanhados de suas respectivas bandeiras.

HISTÓRIA

As placas que identificam os veículos brasileiros já mudaram algumas vezes desde o início do século XX, quando a frota brasileira começou a crescer e os carros começaram a ser emplacados. De 1901 a 1941, as placas tinham uma letra, “P” (de particular) ou “A” (de aluguel) e uma quantidade variada de números aleatórios. As cores variadas surgiram a partir de 1941, época em que foi adotado o nome do município e uma certa organização numérica.

De 1969 a 1990 foi utilizada a conhecida “placa amarela”, artefato que, por incrível que pareça, ainda pode ser encontrada em carros abandonados nas “modernas” ruas brasileiras. Eram duas letras e quatro números, com o nome do município e a sigla do estado na parte superior. A partir de 1990, com a frota brasileira crescendo, surgiu a necessidade de aumentar o número de combinações e assim nasceu a placa cinza atual. Na mesma época foi implementado o Registro Nacional de Veículos Automotores (RENAVAM).

LÁ FORA

Modelo de placa do estado da California, EUA (Foto: Wikimedia Commons)
Modelo de placa do estado da California, EUA (Foto: Wikimedia Commons)

Nos Estados Unidos, a placa varia bastante de acordo com o estado e é possível encontrar até desenhos com referências a veteranos de guerra e estudantes, dando informações sobre o dono do veículo. Isso porque lá, diferentemente do Brasil, a placa pertence ao motorista e não ao carro. Ou seja, na hora de vender um carro, o proprietário precisa tirar sua placa, para que o veículo receba a identificação do novo dono. Como as leis por lá são particularidades de cada estado, não vamos entrar em muitos detalhes, mas podemos afirmar que placas de carros é obra de arte.

Na Europa, os veículos de países da União Europeia circulam com um padrão parecido com o que será adotado no Mercosul. O padrão é o mesmo, mas selos, letras, números e outras identificações seguem leis de cada país. Na parte esquerda da placa, há o símbolo da União Europeia e uma letra que corresponde à nação de origem do veículo (GB para Grã-Bretanha, por exemplo).

Modelo de placa de carro de Portugal (Foto: Wikimedia Commons)
Modelo de placa de carro de Portugal (Foto: Wikimedia Commons)

O assunto é muito curioso e renderia centenas de colunas, mas fica aqui uma indicação. Quer saber mais sobre placas? Acesse o site World License Plates e se divirta.

MERCADO

O mês de dezembro começou como terminou o mês passado. Segundo o ranking Fenabrave de autos, o novo líder anual, Fiat Palio, registrou até sábado (6) 4.443 unidades comercializadas. Em segundo lugar está o GM Onix, com 3.786, seguido pelo Volkswagen Gol, com 3.638 veículos vendidos. Completam o TOP5 o Hyundai HB20, com 2.748 e Ford Ka, com 2.543.

De acordo com a Fenabrave, em novembro foi verificada uma queda na venda de autos em comparação com o mês de outubro. No mês passado foram vendidos 210.342 autos, contra 216.539 de outubro, uma redução de 2,86%. Em comparação com novembro de 2013, quando foram vendidos 223.029, a porcentagem de redução é ainda maior, de 5,69%. Vale lembrar que ficam de fora desta estatística carros como Strada, Saveiro, S10 e demais considerados comerciais leves.

About Sobre carros

Formado em jornalismo em 2005, Vinicius Palermo trabalha desde 2012 como editor em um jornal carioca. Apaixonado pelos automóveis e pelo Flamengo, ama a família e os animais, por quem luta por dias melhores no futuro. Acredita na máxima de plantar o bem para colher o bem.

Check Also

Despedida da SAAB

Conhecida pela espetacular Volvo e a fora de série Koenigsegg, a lista de fabricantes de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.