História de líderes

Líder de mercado no Brasil por 26 anos, o Volkswagen Gol não deve terminar 2014 na ponta, sendo ultrapassado pelo Palio que colocará a Fiat pela primeira vez na liderança anual. Nós já falamos por aqui do Volkswagen Fusca, que foi o primeiro grande líder desde o fim da década de 1950, quando aumentou o incentivo à indústria automobilística. O topo já pertenceu, no entanto, a dois modelos de outra marca. Em 1983, o líder era o Chevette, e nos três anos seguintes quem fechou na frente foi o Monza, até perder a posição para o Gol, em 1987. É sobre os dois carros da Chevrolet que falaremos hoje.

No ano do lançamento do Chevette, em 1974, o sucesso da Chevrolet com o Opala era tanto que o modelo que estava prestes a chega ao mercado por pouco não se chamou “Opalim”, mas o plano não foi para frente. O nome escolhido lembra um “Mini-Chevrolet”. O modelo que chegou por aqui era quase um lançamento mundial, já que seis meses antes tinha sido lançado na Alemanha pela Opel – subsidiária da Chevrolet – com o nome de Kadett (que mais tarde rodaria pelas estradas brasileiras). Se utilizando da fama de sua marca e de boa dirigibilidade, o Chevette conquistou um mercado carente de opções de carros pequenos, refém dos Volks com motor a ar.

Em 1983, a Chevrolet fez mudanças drásticas no modelo, introduzindo faróis retangulares e lanternas traseiras quadradas. Seu motor 1.6 e câmbio de cinco marchas fizeram sucesso e o modelo desbancou o Fusca como carro mais vendido daquele ano. Dez anos depois, após marcar época no país e ter visto sua família ganhar integrantes (A perua Marajó e a pick-up Chevy), o Chevette saiu de cena para dar lugar ao Corsa.

O MONZA 

Oito anos após o lançamento do Chevette no Brasil, desembarcava por aqui outro modelo Opel pelas mãos da Chevrolet. Este carro, no entanto, não existia em nenhum canto do mundo, foi criado para rodar no Brasil. O novo modelo oferecia conforto, potência e tecnologia suficientes para o colocar no topo.

Em 1983, a Chevrolet consegue corrigir alguns pontos que eram alvo de críticas. O motor 1.6, considerado fraco para o peso do veículo é substituído por um de 1800cm³ a gasolina. Direção hidráulica, ar-condicionado como opcionais enchiam ainda mais os olhos dos compradores daquele segmento. Mas será que um sedã de luxo lideraria o mercado?

Pois em 1984, apenas dois anos após sua chegada ao Brasil, o Monza conseguiu essa proeza e alcançou o topo pela primeira vez, entregando mais modernidade que seus concorrentes, VW Santana e Ford Del Rey. O desempenho do carro melhorou ainda mais com o lançamento da versão a álcool, no mesmo ano em que câmbio automático e o trio elétrico (vidros, trava e espelhos retrovisores) foram disponibilizados como opcionais.

Em 1986, último ano em que figurou como líder de mercado o Monza ganhou uma versão de luxo, para um consumidor mais exigente, recheada de itens de série. Além de direção hidráulica, ar condicionado e trio elétrico, a Classic trazia rodas de liga leve e faróis de neblina, que se somavam a uma pintura com duas cores. Naquele mesmo ano, foi lançado o motor de 2.000cm³.

No ano seguinte, em 1987, o Monza perdeu a liderança para o VW Gol, mas seria eleito o carro do ano por dois anos seguintes. Em 1991, o Monza passou por uma pesada reestilização, mas nada que o colocasse novamente nos trilhos do topo do mercado. Em 1996, já dividindo mercado com o Vectra, também da Chevrolet, o Monza se despede com a certeza da história que desenhou, que talvez nunca mais volte a ser escrita. Vocês acham que um sedã de luxo pode voltar a liderar o mercado de automóveis?

MERCADO

Apesar de ver o Chevrolet Onix se aproximando no retrovisor, o Fiat Palio continua firme na liderança do ranking Fenabrave no mês de novembro. O representante da marca italiana registrou 3.872 unidades vendidas, contra 3.823 do Onix. Em terceiro está o Fiat Uno (3.278), seguido de Hyundai HB20 (3.062) e Volkswagen Gol (2.908.)

Com 2.128 unidades comercializadas, o Chevrolet Prisma continua se destacando e deve fechar mais um mês na liderança dos sedãs pequenos. Com 1886 unidades vendidas, o Fiat Siena, que lidera o mercado deste segmento no ano, parece não ter fôlego para acompanhar o apetite do Prisma.

About Sobre carros

Formado em jornalismo em 2005, Vinicius Palermo trabalha desde 2012 como editor em um jornal carioca. Apaixonado pelos automóveis e pelo Flamengo, ama a família e os animais, por quem luta por dias melhores no futuro. Acredita na máxima de plantar o bem para colher o bem.

Check Also

Saindo do forno

Novidade alemã no Brasil A Mercedes-Benz anunciou nesta quinta-feira (30), o início das vendas de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.