Black Friday: sete dicas para aproveitar as ofertas com segurança

No próximo dia 28 acontece a edição 2014 da Black Friday. Para os consumidores trata-se de uma ótima oportunidade para comprar barato nas principais lojas físicas e virtuais do país. Já para os varejistas, a ação representa a grande chance de limpar estoques para receber os produtos para vendas de Natal.

Em 2013 o varejo eletrônico recebeu mais de 1,9 bilhões de pedidos na Black Friday. O gasto médio do consumidor foi de R$ 437, quase o dobro do gasto em dias normais no e-commerce. Entre os produtos mais procurados estão eletroeletrônicos (17%), informática (13%) e telefonia (12%).

Comprar durante o Black Friday é uma ótima opção para ficar tranquilo e gastar pouco com os presentes de Natal, mas os descontos tentadores podem não ser sempre um bom negócio, por isso o consumidor deve ficar atento aos seus direitos.

O advogado especialista em Direito do Consumidor Ricardo Vieira de Souza preparou sete orientações simples e muito importantes para que as promoções realmente sejam um bom negócio:

  • Promoção real ou “maquiada”?

O consumidor deve comparar os preços dos produtos para não ser vítima de maquiagem de preço. Muitos estabelecimentos aumentam os preços dos produtos nas semanas que antecedem o Black Friday, para dar a falsa ilusão de que o produto possui um grande desconto. Muitas vezes o produto desejado pelo consumidor pode ser mais barato fora do período de Black Friday. Portanto, se o consumidor já sabe o que ele deseja comprar o melhor é já saber o preço real do produto, antes do período promocional, para que tenha elementos para saber se o desconto anunciado é realmente bom.

  • Troca ou devolução de produtos

A troca ou devolução de produtos adquiridos no período da Black Friday só é possível nas compras feitas fora do estabelecimento comercial, ou seja, na Internet ou pelo telefone. Nestes casos o consumidor tem até sete dias, contados da data da entrega, para trocar ou devolver o produto. Algumas lojas, por liberalidade, permitem que os compradores troquem os produtos dentro de determinado prazo. Caso o estabelecimento comercial opte por essa prática ele deve informar claramente o consumidor.

  • Garantia

O consumidor possui garantia legal de 90 dias para reclamar de vício dos produtos, como por exemplo, produto que parou de funcionar. Vale lembrar que muitas empresas, por liberalidade, concedem um ano de garantia. Caso a garantia de um ano seja concedida, ela é complementar a garantia legal. Portanto o consumidor possui um ano e 90 dias para reparar qualquer inadequação no seu produto.

  • Compras em lojas físicas

Caso o consumidor opte por comprar presencialmente nos estabelecimentos comerciais é aconselhável que ele teste os produtos antes de levar para sua residência para evitar qualquer problema.

  • Orientações claras

Tudo que é ofertado ao consumidor, deve ser informado de forma clara e adequada. Todos os anúncios de produtos (oferta) ou publicidade devem informar aos consumidores as quantidades de produtos disponíveis em estoque.

  • Exija nota fiscal

A nota fiscal é o comprovante de compra e a forma de obter os direitos em caso de problemas. O consumidor deve sempre exigir nota fiscal e garantia dos produtos.

  • O vendedor é confiável?

Para compras efetuadas pela Internet, o consumidor deve verificar se o site é confiável. Os sites classificados como confiáveis possuem selo de segurança, para garantir ao consumidor que seus dados bancários não sejam extraviados. Antes de comprar é indicado consultar os órgãos de defesa do consumidor, como Procon, para verificar se a empresa possui muitas reclamações.

 

 

 

About Portal O Rio

O Portal O Rio é um portal de notícias online e independente. Criado em julho de 2014, o site tem como objetivo informar sobre o que acontece no Rio de Janeiro.

Check Also

Como limpar seus pincéis de maquiagem

Para aplicação de sombra, de corretivo, de base, de blush… São inúmeras as opções e …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.