AF. Starkey e seu Rock n’ Roll

Baterista, vocalista e letrista. Este é Antonio Fernando, mais conhecido como AF. Starkey. No auge de seus 32 anos, o músico tem muita história para contar. Sua carreira artística iniciou na adolescência quando Fernando montou sua primeira banda. Anos depois, ele fundou a Exaddict, banda que foi vocalista por 10 anos. Hoje, além de vocalista e letrista da Santo Junkie, Fernando é baterista na Get Beatles e em seu projeto solo, onde também canta.

Quer saber mais sobre AF. Starkey? Confira a entrevista exclusiva ao Portal O Rio.

Como e quando começou a carreira artística?
Comecei a tocar bateria antes de terminar o ensino médio, tinha uns 15 anos, e fiz uma banda com amigos da escola. Porém tudo começou a se tornar mais profissional em 1999, quando comecei a procurar e conhecer vários músicos para formar uma nova banda. Em 2002, fundei e me tornei vocalista do Exaddict. Foi então que a coisa toda se tornou uma “carreira” e eu comecei a escrever muitas letras e a tocar muito no underground carioca. Fiz parte dessa banda até o início de 2012, quando encerramos o projeto.

Quais suas influências musicais?
São muitas, muitas mesmo. Mas vou falar sobre as que mais ouvi a vida toda e alguns artistas que têm me influenciado muito ultimamente: Rolling Stones, Black Crowes, Scott Weiland, Guns N’ Roses, Izzy Stradlin, Beatles, Oasis, Jim Morrison, Vintage Trouble, Strokes, Kings of Leon, The Meters, Tim Maia, Frejat, Jon Spencer Blues Explosion, Chris Cester (baterista do JET), Eric Kretz (baterista do STP) e Kid Rock.

Sobre sua banda atual…
Após  encerrar o Exaddict, fui convidado a integrar como vocalista e letrista da “Santo Junkie”. É uma banda com muita influência de Hard Rock e Stoner Rock, com letras em português. Às vezes uso uma palavra ou outra em inglês em algumas músicas. Já finalizamos a pré-produção do disco e vamos lançá-lo nos próximos meses.

Sobre o seu projeto solo…
No meu projeto solo toco bateria e canto ao mesmo tempo. Quis fazer um formato diferente… Toco com um guitarrista, um baixista e um saxofonista, fazendo versões com muito groove de clássicos internacionais e alguns nacionais. O estilo flerta com o rock, soul, discomusic e blues.

Os shows têm tido uma resposta incrível, as pessoas gostam das versões e do formato da banda e eu me divirto demais tocando bateria e cantando. Tem sido tão divertido que estou esboçando algumas composições para esse projeto, é uma coisa que eu nunca vou deixar mais de fazer, me faz muito bem.

Projeto paralelo…
Tenho um projeto que sempre foi paralelo a tudo que eu faço há muitos anos. Toco bateria na banda Get Beatles, que faz versões dos Beatles e de alguns rocks dos anos 50 e 60. Nós já fizemos muitos shows, mas todos os músicos dessa banda têm seus projetos, então hoje em dia só fazemos shows algumas vezes, mas sempre que é possível a gente se junta e se diverte bastante tocando ao vivo.

Como músico, como você se define?
Posso falar que sou um cara apaixonado pelo rock n’ roll, com muito ritmo, vocalista, baterista e letrista. Gosto de fazer um som com uma pegada dançante e com muito groove. Sempre passo uma mensagem verdadeira nas letras, sobre algo que de alguma forma eu tenha vivenciado.

 

About Juliana Torres

Co-fundadora do Portal O Rio, Juliana Torres administra, edita e produz conteúdo para o site e para as redes sociais. A jornalista, que é pós-graduada em Gestão Estratégica da Comunicação, já passou por assessorias de comunicação e redações de jornais impressos.

Check Also

Nirvana: Taking Punk to the Masses no Rio de Janeiro

Os amantes da cultura grunge e da banda mais representativa deste cenário, já podem comemorar! …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.